Anarcoólatras, ou Anarkólatras, ou…

Dando sequência à autopromoção, vou contar a história do Anarcoólatras, minha experiência como “músico” punk. A banda foi formada mais ou menos em 1980 e acabou por volta de 1983. Os membros originais eram eu (guitarra), Alemão (vocal) e Johnson (baixo). No início, como não tínhamos aparelhagem, o Redson do Cólera deu uma grande força e aceitou dividir os ensaios de sua banda com a gente. De graça!

No segundo ensaio, nosso baterista, se não me falha a memória, chamado Matida, abandonou a banda e o próprio Redson assumiu as baquetas. Com essa formação tocamos no primeiro festival punk, no Teatro Luso-Brasileiro.

Anarkólatras
Anarkólatras, por volta de 1982

Chegamos a gravar três faixas para o Grito Suburbano, junto com Olho Seco, Cólera e Inocentes. Mas a qualidade dessas gravações não agradou e o Fábio (Punk Rock Discos), que era quem bancava o disco, decidiu que todos deveriam gravar de novo.

Nesse intervalo, o Redson, sem maiores explicações, decidiu que não tocaria mais conosco. Como não tínhamos tempo de arrumar outro batera e ensaiar, ficamos fora do disco que se tornaria um marco na história do punk nacional.

Logo depois o Theodoros, que no Grito Suburbano aparece como backing vocals do Olho Seco, juntou-se a nós. Nessa época, ficara difícil fazer shows em São Paulo, principalmente depois do festival O Começo do Fim do Mundo e de uma matéria da Rede Globo que detonou o “movimento punk”.

Um parênteses aqui: embora na época tenha feito sentido, com o tempo passei a questionar esse lance de classificar o punk como “movimento”. Isso porque entendo “movimento” como algo organizado, com direção e objetivos concretos, o que absolutamente nunca ocorreu em relação ao punk. Talvez porque seus atores, no fundo, queriam apenas fazer parte daquilo – bandas tocando, reuniões em bandos e, primordialmente, nos vestindo de um jeito bem diferente e vivendo livres pelas ruas de SP. E, claro, havia muita loucura envolvida nisso tudo. Por outro lado, o punk tinha e tem tons políticos, mas hoje vejo que sempre esteve muito longe de ser um “movimento”. Claro que respeito opiniões contrárias e até gostaria de ouvi-las.

Bom, o certo é que a repressão em cima dos punks foi violenta. Embora sem lugar para tocar, não desistimos e continuamos a ensaiar. Foi a melhor fase da banda, quando chegamos a ter um “repertório”, com mais ou menos umas dez músicas. Algumas fitas desse período devem estar perdidas por aí.

Em 1983, fui convocado para o exército e antes mesmo de iniciar o serviço militar a banda implodiu. Eu e o Theodoros ainda tentamos reerguer com o “Crispim”, ou Eclenir (irmão do Val, baixista do Cólera), na guitarra, eu no baixo e o Véia (irmão do Sartana, baterista do Olho Seco) nos vocais. Mas com minha ida para o quartel, a banda acabou de vez.

Em 1995, o Ratos de Porão gravou Os Ratos – nossa singela homenagem à PM paulistana – no LP Feijoada Acidente. Uma honra. E me fez ouvir como eu deveria tocar…

Infelizmente, só tenho alguns ensaios e os três sons que entrariam no Grito Suburbano, que podem ser baixados no link logo abaixo.

Baixe aqui o barulho do Anarcoólatras

EM MEMÓRIA DE JOHNSON, THEODOROS, REDSON E VÉIA.
DESCANSEM EM PAZ, AMIGOS.

 

Um comentário em “Anarcoólatras, ou Anarkólatras, ou…

  1. Wilson Alviano 22 out 2017 — 22:25

    Abração Strongos. Bom ler teus textos

    Curtido por 1 pessoa

Sua opinião é importante

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Send Back My Stamps!

Metal History Through Fanzines

Almanake da Nemeton Kieran

... falando um pouco de tudo...

Sequela Coletiva

Blog dos sequelados para postagem de idéias e impressões a respeito de praticamente tudo

PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

A MÚSICA NOS MOVE!

The File Cabinet Of Curiosities

A Vernacular Culture Compendium (which may exceed a single file cabinet), presented by the Conglomerated League of Folklore Inquirists, Affiliate No. 67, under the Charter of the Int. Committee for Folkloric Knowledge, Enhancement, and Preservation.

Reclaiming History: An Archive of Black Hardcore and Punk

Photographs, Flyers, and Zine Clippings that Color Between the Lines of History

juveniledelinquentmusic

Hi NRG ROCK'N'ROLL!!!!!!!!!!!!!!!

Magic Pop

rock and roll media

PBPR

Paperback Punk Rock

The Coming Anarchy

Indian Anarchist Federation's Blog

Liberty and Anarchy

Anti-State, Anti-War, Pro-Market

Anarchy Action

Anarchy Action

What's So Special About Music Anyways?

Witty opinions on great music

Which Side Are You On? A History of Punk Politics

A Visual Archive of Punk-Related Socio-Political Events

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close